visite outros bloggs requeri: assadeira manga chupada

segunda-feira, fevereiro 04, 2008

yes


o lider da banda é um brilhante baixista e toca uma baixo rickenbaker com palheta. não de propósito esta observação, já que ele é o criador de um tom mais agudo no baixo denominado, brilhante.
chris squire é um emblema do rock.
tirando isso, a voz do cantor foi a primeira voz do rock que eu escutei com mais atenção e, reparei, nunca mais ouvi outra assim.
o baixo de chris squire e a voz de jon anderson juntaram-se aos teclados de tony kaye, à guitarra de peter banks e à bateria de bill bruford para formarem, em 1969, o yes. foi banks quem escolheu o nome da banda de som progressivo com influência do clássico e da folk music.


o álbum daquele ano, o primeiro de uma extensa discografia, conquistou a nação rockeira em peso.
o yes, assim como todo rock'n roll, tem histórias ... muitas histórias.
uma delas é que o time and a word teve duas capas diferentes: no reino unido apresentava o desenho de uma mulher nua, mas nos eua teve que sair com uma foto da banda. na foto desse segundo álbum já é possível ver steve howe na capa da versão lançada nos eua, apesar de não ter gravado com a banda, pois, entrou na banda logo depois da gravação.





a primeira turnê pelos eua foi junto com o jethro tull e, em seguida tony kaye abandonou o grupo, sob a alegação de incompatibilidade musical. rick wakeman veio substituí-lo - com vantagem, diga-se en passant.
fragile e close to the edge foram álbuns feitos sob a luz dessa nova formação, apesar de um deles, o fragile, contar com algumas faixas com kaye no teclado, por razões contratuais.
o álbum a seguir, o yessongs já não tem o bruford, que voara pro king crimson, mas ganhou alan white.
no álbum de 1975 todos ficamos tristes, por um lado, e felizes pelo mesmo lado, pois, rwakeman sai e sede lugar pro jazzeiro patrick moraz.
jon anderson então, tem uma brilhante e britânica idéia: vamos lançar, cada um de nós, um álbum solo?!?!?!? exclama e/ou pergunta ele.
por isso, entre 75 e 76 o yes dispersa e cria cinco vezes mais: anderson lança olias of sunhillow; squires o fish out of water; steve howe o beginnings; alan white o ramshackled e moraz o seu the story of i ou, simplesmente, i, talvez, por pura falta de assunto ... rsrs ...
em 1976, rick wakeman voltou, quem sabe, ensurdecido pelos apelos berrantes dos fãs que, apesar de reconhecerem o talento de patrick moraz, achavam que yes combinava muito mais com wakeman, um autêntico taurino cheio de talento na ponta daqueles dedos.
até 1978, o tempo que durou a nossa, a minha felicidade, foi quando ele deixou o yes novamente e carregou com jon anderson. ai sim ... a coisa ficou russa. tivemos que nos adaptar ao teclado de geoff downes e, o que foi pior, à voz de trevor horn.
claro que o resultado foi o fim da banda ... eu bem que tinha avisado que aquilo não ia dar certo.
como no rock'n roll tudo vira história da boa, tudo vira festa jon anderson lançou outro álbum solo, song of seven, howe e downes formaram o asia com john wetton e carl palmer - elp - e squire e white fizeram, junto com jimmy page o xyz, que no frigir das cordas das guitarras, significa ex-yes e zeppelin. foi uma gracinha que não muito certo e terminou antes de lançar algum álbum.

em 83 o yes faz a sua volta.
squire e white escrevem algumas canções e chamam anderson e o guitarrista trevor rabin para colocarem o yes de volta na estrada.
o yes não produz álbuns tão bons quanto os antigos. uma cisão ocorre no yes e disso surge o abwh, anderson, bruford, wakeman e howe que lança um álbum homônimo. squire, que tinha os direitos do uso do nome da banda, não gosta muito dessa história e o yes com rabin, white, kaye e squire, fica conhecido como yeswest ...
vem à luz o 2º álbum do abwh, dialogue.

enquanto isso, os integrantes do yeswest e do abwh começam um namoro e, em 1991, lançam o union que gera uma turnê que leva as duas bandas ao palco.

a turnê terminou e cada um tomou seu rumo: bruford e howe se mandaram; a banda voltou ao nome original, yes, reestruturada; wakeman participou do álbum seguinte e foi cuidar da vida, por sinal, muito bem cuidada ...
como história no rock é o que não falta e o yes inflaciona sobremaneira a contagem dela, em 96 rabin e kaye deixam a banda e steve howe e rick wakeman voltam para o lançamento de keys to ascension, um álbum duplo ao vivo que traz de volta toda a mágica do yes.
foi a glória com direito a dvd e cd duplo, possível de escutar e ver dia e noite ... as well as I make ...
em 1999, billy sherwood participou das gravações do the ladder e do house of yes: live from house of blues gravado em uma apresentação da banda em las vegas. em 2001, no line up de magnification o yes contou com a participação uma orquestra inteira para acompanha-los, inclusive, durante a turnê.

Nenhum comentário:

 
Template by Mara*
requeri/2010