visite outros bloggs requeri: assadeira manga chupada

sábado, junho 14, 2008

elo ... jeff lynne, o elo entre o rock e o melhor som

click ... click em indian red 4.

jeff lynne, antes de ser um elo, tocava no
the idle race e no the move.
foi quando conheceu bev bevan e roy wood e os três varreram as cinzas do the move e fundaram a elo - electric light orchestra - uma banda setentista da birmingham inglesa, terra natal do black sabbat.

encontrei uma página colorida, cósmica, quase sonora, bem a cara da elo que diz, quase completamente, a minha opinião sobre
jeff lynne e a sua banda.
leiam, pois, as ressalvas vou dissertando no decorrer do período.

a elo de 1970,
aqui, cantarolando poorboy foi uma ambiciosa e irresistível fusão de baladas e vocais inspirados no quarteto de liverpool, criava arranjos de música clássica e rock dos anos 70 e tinha uma proposta única no rock, ou seja, fazer uma sonoridade absolutamente inédita até então - mesmo sob a ameça da comparação que alguém pudesse ousar fazer com qualquer coisa que lembrasse o pink floyd.
os integrantes da elo formavam, realmente, uma orquestra. essa mistura de clássico e rock, cello e guitarra, violino e bateria, de som grande, exuberante, apoteótico que ocupa todos os espaços, jeff lynne carrega na mochila e usa, até hoje, por onde passa, como
aqui com os wilburys.

depois de estabelecido em londres, em 1970, o grupo formado por jeff lynne, bev bevan, roy wood e rick price resolveu chamar bill hunt e steve woolam músicos do trompete e do violino, respectivamente, para gravar o álbum de estréia, no answer, uma das mais lindas capas do rock'n roll.





nos bastidores do show de divulgação, as mudanças na formação da banda eram um espetáculo à parte.
por fim, a
10538 emplacou no top 10 britânico.
dias depois, roy wood deixou a banda e jeff lynne assumiu a liderança ... nem era pra ser diferente.
em 1973, o álbum, elo II, colocou a banda nas paradas com uma versão da
roll over beethoven de chucky berry, que se tornou o primeiro hit nas paradas dos eua.
em 1974, a banda lança o seu sgt peppers, o álbum eldorado e a canção
can't get it out of my head a leva ao top 10 nos eua.

uma discografia interessante e o sucesso comercial alcançado pela banda, não a colocava em primeiro plano no cenário do rock'n roll.
oportuno salientar que o meu lado exigente e teimoso usado para escolher preferências musicorockeiras está intimamente ligado a outro, um tanto egoísta, reconheço, que considera ótimo escolhas diferentes, esquisitas, fora da mesmíce. quanto menos badalação melhor. a elo era conhecida por poucos, apreciada por ainda menos e não seguia os padrões glam da época, já que seus músicos não vestiam diferente, não eram tatuados, eram calmos, quietos, não davam bandeira ... por outro lado, os shows da banda eram intensos e energéticos, sempre com cenários e efeitos de luz ... jeff lynne celebra a música ... a elo de jeff lynne, celebrava a música.

pausa ... o glan rock era um fenômeno musical inglês surgido no final dos anos 60, popularizado no início dos anos 70. seu impacto nos eua, onde ficou conhecido como glitter rock, foi bem menor sendo difundido, apenas, entre os fãs de música nas cidades de new york e los angeles.
caracterizado pela androginia ficou marcado por performances com muita maquiagem, cílios postiços, purpurinas, sapatos exóticos, batons, brilho, paetês e pelos trajes luminosos e coloridos dos músicos. era o glamour das músicas agitadas de um rock'n roll que esbanjava sexualidade. a
roxy music de bryan ferry e david bowie eram os mais expressivos representantes da tendência glam rock inglês.

jeff lynne, foi pro cinema em 1979 e saiu de lá com a soundtrack de
xanadu no bolso. uma delícia de filme.

falando em newton john, uma parada obrigatória, pois, é imprescindível lembrar que rock'n roll é uma cantoria de responsa tendo ou não tatuagem, tendo ou não brilho. o danado brilha per si. no vídeo,
aqui, em 1978, num tal programa tv special alguém juntou, e eles cantaram beach boys - help me, rhonda e barbara ann - abba, olivia newton john e andy gibb, irmão mais novo da família, morto em março de 1988, dias depois de completar 30 anos.

na década de 80 a
electric light orchestra vai perdendo o rítmo e jeff lynne inicia um trabalho de produção e gravação de discos para george harrison, roy orbison, tom petty.
em 1986 a lâmpada da elo se apaga e o mentor da banda sai pelo mundo cuidando da sua e da carreira de outros músicos. com ele, em 1988, os wilburys entram no cenário musical emocionando os fãs e seu primeiro disco solo é armchair theatre, de 1990. os anos 90, enquanto a elo part two, sem ele, retoma o caminho deixado 4 anos antes, foram dedicados à produção de material para joe cocker, tom jones e paul mccartney além do beatles anthology.
que os ímpios não resmunguem sobre minha intransigência em relação à elo part two, pois, reconheço o álbum dado à luz em 2001, o zoom, como a volta da antiga sonoridade. será que é por que seu produtor, compositor e músico, na maioria das faixas, foi jeff lynne???

... e as más línguas insistem em acusá-lo de álbum solo.
por que não??? só não é, pela presença de alguns artistas de notória relevância ... george harrison, ringo star, o maestro marc mann músico atuante em espetáculos importantes à nação rockeira, vide o tributo a george harrison ...
dono do nome e de rara musicalidade, o jlynne pode fazer o que quiser. daí, o resultado não poderia ser outro: composições ricas, letras ótimas, instrumental excelente que remetem nossos ouvidos, como antigamente, aos besouros ingleses de liverpool.


2 comentários:

Tereara disse...

Oi Re!
Só pra exclarecer....não sugeri troca de link, linkei o teu blog por carinho, aliás, a maioria dos meus links são sem parceria ok?
Não precisa linkar não...só aceite meu carinho.
Quanto aos cartões que o Oscar manda, também não os entendo muito, aliás, não coloco nenhum pois pesaria muito, só coloco o básico nos blogs.
Abração e tenha uma linda semana.
(Amei o novo post)

Archimedes Carpentieri disse...

oiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

 
Template by Mara*
requeri/2010