visite outros bloggs requeri: assadeira manga chupada

sábado, outubro 04, 2008

david byrne

como de costume, click ... click in corn flower blue.


david byrne, que eu não canso de ver e ouvir, um maluco adorável, pra quem não sabe é escocês de dumbarton, nasceu sob o signo de touro em 1952, no dia 14 de maio.
david byrne, representa tudo o que me encanta,
música, voz, imagem, sonoridade, cor, rítmo ...
além de ter fundando a banda talking heads,
cantar e tocar guitarra, david byrne é fotógrafo o manifestante político que muitos gostariam de ter por perto ... homenaje a las madres de plaza de mayo.
a talking heads explodiu em new york em setembro de 1974, e sua maior característica é a versatilidade rítmica utilizando, inclusive, o som africano. no início ela era a the artistics com uma guitarra e uma bateria, david byrne e chris frantz, respectivamente. mas quando a namorada de chris juntou-se a eles, o nome mudou para
talking heads. em 1975 eles foram pro palco pela primeira vez, abrindo o show do ramones e em 1976, juntou-se aos três talking heads, o teclado e a guitarra de jerry harrison.
dois anos depois, brian eno, que já colaborava com david bowie e a roxy music, veio dar um arranque na banda. além de passar a mentor e quinto elemento dos talking heads, produziu e colocou nas bancadas das lojas de disco, o segundo álbum da banda, more songs about buildings and food ... o sucesso!!!

um al green, através da canção, take me to the river ressoou por todos os cantos.
a banda foi desfeita em 1991.
david byrne compôs e ganhou oscar com a trilha sonora do filme de bernardo bertolucci, de 1987,
the last emperor. em 1986, ele havia dirigido, true stories, também, aqui.
david byrne está bem perto do brasil, pois, já produziu discos com margareth menezes e tom zé, além de ter gravado com marisa monte uma versão de águas de março, absolutamente genial!!!
o vídeo eu capturei do dvd, red, hot & blue, um tributo que alguns artistas prestaram a cole porter para a campanha, uma atitude contra a aids. ouçam e vejam a versão byrneana para
don't fence me in, um dos mais belos e criativos trabalhos musicais que eu conheço.
neste ano, 2008, a dupla
david byrne & brian eno, reescreve o interesse comum pela música. a simbiose musical do passado, que germinou obras primas como my life in the bush of ghosts e o álbum do talking heads, remain in light ... brilhante!!!
através do everything that happens will happen today a irmandade volta do olimpo para uma daquelas produções sem meio termo ... ame-a ou lance-a aos leões.
a panacéia musical - dbyrne define o o álbum como uma mistura gospel/folk/eletrônica - foi anunciada pela
strange overtones que chegou antes e, com sua batucada eletrônica, que me deixa inquieta, agiu como uma autêntica comissão de frente. adorei!!!

2 comentários:

Luciana disse...

Seu texto é bastante informativo e de leitura fácil até para quem não sabe nada de David Byrne. Um álbum com uma mistura gospel/folk/eletrônica deve ser o máximo,para deixar qualquer um inquieto. Abçs! Boa semana! Lu

Osc@r Luiz disse...

"Wild, Wild Life" embalou a minha geração...
Ótima a sua abordagem, como sempre!
Beijão!

 
Template by Mara*
requeri/2010