visite outros bloggs requeri: assadeira manga chupada

domingo, abril 12, 2009

seiji ozawa, a excelência de um maestro





música me encantou, sempre.
seiji ozawa me encantou, sempre.
quando conheci, em 1972, lembrou-me os desenhos animados do pica pau, do
tom e jerry, do pernalonga, do mickey ...
seiji ozawa, seu corpo, suas mãos, sua cabeleira regem a orquestra, regem a platéia, regem o meu coração e os daqueles que têm a felicidade de conhecê-lo.
assim, como em vienna, no concerto de new year de 2002 ...





ou aqui conduzindo lang lang, coral e orchestra - allegro assai segundo movimento andante con moto - da choral fantasy do beethoven ou, bem mais jovem, conduzindo o k136 de mozart ... espetacular!!! que, traduzindo, significa dizer mais um divertimento mozartiano, assim como os outros - k134, k138, ... - encaixado com exatidão ao corpo do maestro ...




por falar em lang lang, o pianista manchu, encantado pela música ocidental, assim como eu, depois de assistir ao desenho do tom e jerry em que eles tocam uma das 19 hungarian rhapsody de franz liszt, a de # 2 ...



imagino a sensação de músicos de orchestra ao serem dirigidos por seiji ozawa ... felizes, certos de terem alcançado a plenitude de sua arte.

seiji ozawa, pode ser considerado o modelo daquilo que diz ... gato que nasce no forno, não é bolinho.
seiji ozawa é um japonês que nasceu na china, na cidade de shenyang, manchuria, durante a ocupação japonesa de 1935, ao primeiro dia de setembro.
depois de licenciar-se, em 1959, pela escola de música toho gakuen -
aqui - foi para os usa estudar na escola berkshire.
manteve-se ao lado de herbert von karajan e da orquesta sinfônica de berlim, entre 1961 e 1962 e foi indicado por leonard bernstein para dirigir a orquesta filarmônica de new york além de ter dirigido as orquestras sinfônicas do japão, de toronto, de são francisco, de boston e de ter sido diretor musical do teatro da ópera de vienna - opernhaus - aos primeiros anos do século XXI.

seiji ozawa abriu os jogos olímpicos de inverno em nagano - aqui - dirigindo a orquestra saito kinen e seis coros - japão, austrália, china, alemanha, áfrica do sul e usa - que representavam os cinco continentes. todos interpretaram, sob sua peculiar maneira de dirigir, a ode à alegria da nona sinfonia de beethoven.

agora, seiji ozawa foi escolhido para ocupar uma cadeira na academia francesa de belas artes, eleito um dos 16 membros estrangeiros associados da academia, que homenageia artistas de áreas como música, pintura, cinema e fotografia, entre outras.


ser fã de seiji ozawa representa um ato de amor em favor da música em sua excelência, perfeição e honestidade.


recebi do meu querido billy, uma biografia de seiji ozawa e outras referências. um bom conselho: tudo deve ser acessado e lido.



Um comentário:

Junior Silva disse...

Oi moça

Realmente, reger é uma arte que poucos dominam, e pelo pouco que acompanho esse tipo de música, tenho na figura de Seiji uma referência nessa arte.

Beijão!

 
Template by Mara*
requeri/2010