visite outros bloggs requeri: assadeira manga chupada

quarta-feira, maio 04, 2011

som dobrado

ou seja, não importa, por qual rastro de liberdade que a música rockeira encaminha minha vida, sempre haverá uma nova revelação que eu faça, pois, o rock, bem mais grandioso do que imaginam os fariseus, tem a capacidade de fazer ver ao mundo grandes caras, grandes músicos, grandes instrumentos, grandes músicas, grandes discos, componentes musicais cada vez mais surpreendentes.

sou fã ardorosa do peter frampton pra quem o ukelele ensinou música, aos 8 anos de idade. o ukulele tem origem portuguesa/ilha da madeira e, levado pro hawaii, pelos portugueses, acabou se tornando o principal instrumento musical daquelas plagas.
a história do ukulele - pulga saltadora, em idioma nativo do hawaii - é pra ser mesclada à do banjo, e à do cavaquinho, aquele mesmo!!! tocado por um tal nelson, um brasileiro. banjo/ukulele [...]

todos eles são executados da mesma forma: a corda é colocada em vibração ao ser tangida com as unhas, com os dedos, ou com palhetas. ela se desloca, e é solta, pra que aconteça a vibração. o som, inicialmente é forte, abrupto, mantém-se por um bom tempo, e some lentamente, até silenciar.

o ukulele foi levado ao hawaii por um português que não quis desembarcar, permanecendo no navio. a certa altura, e muito feliz por estar ali, ele surgiu com um violãozinho de quatro cordas, tocando e saltando enquanto esperava no cais. os nativos ficaram encantados por aquele som e foram, aos poucos, fazendo ligeiras modificações, integrando-o ao som de sua música nativa.

curioso saber: george harrison, tornou-se um uker, um tocador de ukulele. o ukulele ou, simplesmente, uke, parece um instrumento de brinquedo, é semelhante a uma guitarra acústica pequena, uma espécie de violão pequeno, tem quatro cordas afinadas em lá/mi/do/sol. mas existem outras versões, e uma delas é o barítono, que se afina em mi/si/sol/ré.
a carreira do mais jovem dos beatles é bem documentada, mas poucos sabem que george harrison foi um uker dos mais conhecidos e competentes. sua morte foi lamentada por todos os tocadores de ukulele, mundo afora. ele era, reconhecidamente, um grande campeão do instrumento.







sua infância, assim como a dos outros 3 beatles, foi emoldurada pelo som do ukulele de george formby - 1904/1961 - um ídolo das décadas de 1930/1940 no uk.
na melhor das décadas, a de 1960, o misticismo oriental levou-o a adotar uma filosofia profunda de auto-descoberta e compreensão e, naturalmente, ele voltou a explorar suas primeiras raízes e influências musicais.
numa entrevista dada em 1991, george harrison lembrava de sua mãe cantando músicas de george formby, o que fez dele fã do músico xará, e entusiasta do ukulele.
george harrison associou-se à george formby society and the ukulele society of great britain, e adquiriu uma bela coleção de ukuleles, incluindo um banjo ukulele ludwig, o instrumento favorito de formby.
nota da autora: a ludwig é conhecida como tradicional fabricante de instrumentos de percurssão.

os banjos ukulele de george formby [...]

quando george harrison participou de uma convenção - não sei precisar a data correta - na george formby society and the ukulele society of great britain, realizada no winter gardens/blackpool/litoral da inglaterra, estava acompanhado de sua mulher olivia, seu filho dhani e do amigo jimmy nail.
não houve alta segurança e ele percebeu que, como um beatle famoso, seria inundado com pedidos de autógrafos que assinou livremente. alí, naquele dia, seus principais interesses eram os instrumentos e os músicos, os ukers.
dhani tocou banjo e, rapidamente, fez amizade com alguns dos membros mais jovens cantando e solando canções de george formby.
george, jimmy e dhani juntaram-se aos outros músicos - quantos mais melhor - no final do concerto de sábado à noite, para a tradicional thrash, quando o maior número de músicos sobe ao palco, pra cantar uma meia dúzia de versões abreviadas do george formby, e completar a noite de entretenimento.
no domingo à noite, george surpreendeu a todos ao subir ao palco e, depois de uma breve introdução, passou a tocar in my little snapshot album, um solo bastante difícil no banjo.
ele admitiu que estava apenas aprendendo a tocar e, como a música tem muitas palavras, ele pediu ao público para ajudá-lo com os versos, caso ele se esquecesse deles. seu desempenho, tocando o ukulele, foi extraordinário. naquele ambiente, não haveria de ser diferente, todos o amavam.
ouça a gravação daquela apresentação de george harrison, aqui [...], naquele dia. para ouvir basta instalar o real player, próprio para esta audição.

bloggs dedicados ao ukulele:

  • marcelo silva


  • miguel andorffy


  • no concert for george, aqui [...] paul mccartney tocou ukulele, assim como joe brown, que encerrou o concerto cantando a canção i'll see you in my dreams, tocando ukulele.








    george harrison toca ukulele, no projeto the beatles anthology/1994/1995, alguns breves solos de autoria de george formby.


    sobre george formby, em inglês [...]
    sobre george formby, em português [...]

    eddie vedder/pearl jam se entregou aos acordes do okulele

    volto a peter frampton, pra dizer que esse músico inglês de beckenham/kent iniciou-se musicalmente, como autodidata, tocando um ukulele que fora de sua avó, presenteado por seus pais, orgulhosos ao perceberem seus dotes musicais, ainda bem pequeno.
    sobre ukulele [...]

    o rock influi pra desestabilizar as emoções e ao mesmo tempo estabilizar tudo dentro da música. frampton é um grande músico quando se trata de música adulta, bem tocada, bem cantada, a atração pelo óbvio e pelo inédito, pois reflete a experiência melódica do mundo que melhor trabalha a obviedade e o ineditismo. um bom exemplo disso é a explosão solo de frampton vinda com frampton comes alive, o álbum ao vivo, mais vendido de todos os tempos, seis vezes platina e que incluía o óbvio nos sucessos: do you feel like we do, baby, i love your way e show me the way. encontre-as e ouça, na listinha da rádio uol

    peter frampton, em entrevista à revista veja

    peter frampton, o cara da guitarra que fala é status, dignificação, arte com energia total, uma estrada grande sob céu de brigadeiro, e árida - ótima combinação.
    encontre e ouça uma guitarra falando em show me the way, na listinha da rádio uol

    bom saber: depois do atentado de 11 de setembro de 2001, peter frampton tornou-se cidadão americano.
    e mais!!! o seu extraordinário álbum, fingerprints/2007, recebeu um grammy merecido -
    aqui, click ... click na janelinha do fingerprints pra escutar as canções.
    o álbum é unicamente instrumental, e musicado por peter frampton acompanhado de chad cromwell/drums, john regan/bass, arthur stead/keyboards/piano, courtney pine/tenor saxophone, shawn fichter/drums, stanley sheldon/bass, gustavo ramirez/piano, daniel de los reyes/percussion, matt cameron/drums, mike mccready/guitar, gary westlake/bass, gordon kennedy/acoustic and electric guitars, brian bennett/drums, mark griffiths/bass, hank marvin/guitar, blair masters/keyboard/samples, warren haynes/guitar, charlie watts/drums, bill wyman/bass, chris stainton/piano/hammond b-3 organ, paul franklin/pedal steel, mark harris/hammond b-3 organ, charles chadwick/acoustic bass, stephan dodash/viola, john jorgenson/lead and rhythm guitar.

    muito louco!!! o site do frampton
    por fim!!! divirta-se com os beatles


    é isso.


    3 comentários:

    Junior Silva disse...

    Oi moça, quanto tempo.
    Escrevi sobre música hoje e lembrei daqui.
    Eu toco banjo, mas nunca toquei um ukelele. Gosto do som de qualquer instrumento musical, mas tive poucas oportunidades de experimentar uns diferentes assim...

    Beijão.

    Armando Moraes Delmanto disse...

    Legal, muito legal. E que som! E tem história que entrelaça os mais diversos tipos de música. Muito bom saber tudo isso. Bela pesquisa, requeri. Grande post!!!
    Grande abraço. Delmanto

    Jackie Freitas disse...

    Oi Rê, minha querida!
    Estou muito atrapalhada nesses dias, mas já tinha separado o seu post para ler com calma, porque vir aqui e não ler cuidadosamente o que você escreve, é perder uma grande oportunidade de aprender um pouco mais sobre a música, astros, rock e a história da música. Você sabe que sou meio leiga nesse assunto (rock), mas tem alguns nomes que aprecio e conheço (um pouco!).E olha, cada vez mais me pego saudosa desse tempo de música boa, guitarras fenomenais, som de qualidade...
    Grande beijo,
    Jackie

     
    Template by Mara*
    requeri/2010