visite outros bloggs requeri: assadeira manga chupada

domingo, outubro 02, 2011

maná, drama y luz, novo álbum



- somos maná, de la tierra del tequila y el mariachi!!! -
guadalajara, méxico
alex gonzález - bateria
fher olvera - vocal, guitarra acústica, rhythm guitar
juan calleros - baixo
sergio vallín - guitarra elétrica

mais de duas décadas de rock credenciam a banda mexicana maná, a encarar, na noite de sábado, 1 de outubro, a penúltima noite da quarta edição daquele festival que se diz do rock, realizado em terras brasileiras.
fernando olvera e seus companheiros dominaram o palco bem iluminado, e o rock romântico da banda soou forte.
o público dançou, cantou junto e fez ecoar a sonoridade repetitiva das respostas aos chamados simpáticos de fher olvera.

um enorme prazer foi assistir, ao vivo, fher olvera se descabelar ao som de latinoamerica e clavado en un bar, ou se acalmar cantando corazón espinado, composição de fher em parceria com carlos santana, acompanhado pela guitarra de andreas kisser, e a minha preferida, en el muelle de san blas/no cais de san blas, uma lenda mexicana que conta a história de uma mulher que esperou por anos a volta de seu amor que partiu do muelle de san blas. ela esperou sozinha, se apaixonou pelo mar, envelheceu, foi tratada como louca, seu corpo criou raízes no cais, e ela ficou lá, pra sempre, esperando, sozinha, e seu amor nunca mais voltou.

o maná subiu ao palco para apresentar canções do álbum drama y luz/início de 2011.
drama y luz será um bálsamo pessoal para fher olvera, que nos últimos anos enfrentou graves perdas pessoais que, de uma forma ou de outra, acabaram refletidas no disco.
drama y luz despertou muita ilusão nos milhões de fãs da banda por todo o mundo.

fazia muito tempo que uma banda permanecia em silêncio para, em seguida, chegar ao topo das listas, inclusive na espanha.
a banda apresentou o álbum em março, seu primeiro trabalho desde 2006.
apesar da afirmação de fher olvera, sobre o maná ter o hábito de criar seus discos lentamente, no mínimo 3 anos de dedicação a cada trabalho, drama y luz demorou mais tempo devido aos problemas enfrentados por ele no último anos. seus companheiros da banda reafirmaram que só retomoram as gravações, após fher olvera se refazer. o próprio fher olvera assegura que teve que se recompor, após os problemas pessoais muito complicados que enfrentou, para dar forma ao material.



o maná reinventa seu som.
drama y luz, é um disco de dupla leitura.
disse fher olvera, sobre drama y luz: “tiene mucho que ver con mi vida. al mes y medio del deceso de mi madre, sucedió el de mi hermana, de cáncer. eso dio pie para que el disco tomara ese rumbo: de que, suceda lo que suceda, al final del día hay luz”.
o artista completa dizendo que no disco “hay un tema que le escribí a mi madre, que se llama Vuela libre paloma, que le da también el arte al disco, pero es un tema escrito para toda la gente que tiene una pérdida y una esperanza”.
han bajado mucho las ventas y es una situación mundial, sin embargo nosotros - y yo por mi hijo - seguimos haciendo los álbumes como antes, con el mismo presupuesto y cariño, no obstante que los negocios estén mal”.

em que pesem as dificuldades que existem atualmente na industria discográfica, fher confia no êxito de drama y luz. por certo!!!

fher olvera gosta de cantar rayando el sol, vivir sin aire.
as músicas de outros tempos, ele gosta de apresentar em versões diferentes da original. isso o maná aprendeu com carlos santana. a música recebe outro toque, é lida sob outra perspectiva.

a diferença entre outros artistas, e o vocalista do maná, é que ele não tem medo de escutar seus próprios discos.
ele reconhece que muitas vezes a banda faz isso de forma involuntária: “aunque no queramos, los escuchamos! vamos a bares en argentina, brasil, españa, y la gente nos pone la música (risas). es para decir: ‘por favor, ya pongan otra cosa!’ y nos la ponen en el hotel, la gente lo hace de buena onda, pero no manchen (risas)”.

são oito discos de estúdio, mais de 20 milhões de cópias vendidas.
ontem no palco brasileiro, com clavado en un bar, canção do álbum sueños líquidos, o maná deixou o palco e uma plateia satisfeita.

pra quem não sabe, um dos talentos do maná - de la tierra de tequila y de mariachi - é o ritmo preciso e inspirado da bateria de alex gonzalez, um cara energizante, seus olhos brilham, sua alegria transcende, sua competência é indiscutível. ele é fera toca em pé, sentado, de costas ... demais!!!

como se não bastasse todo talento fher olvera tem um filho, dalí, que nasceu em 20 de julho de 2007 em guadalajara, e que foi batizado em honra ao pintor catalão.
por outro lado, é sabido que o maná cultiva uma parceria com a fundação chico mendes.
por esse caminho, faz alguns meses, a banda fez o lançamento de um livro sobre ecología, para introduzir nas escolas primárias de todo méxico. o projeto, encontrou muitos obstáculos, como confessa fher olvera: “es un poco burocrático y eso es triste. pero se sigue trabajando en programas pilotos en la costa de oaxaca”.
o intérprete de cayó mi nave - faixa número seis dó álbum maná/1987 - explicou que “es complicado porque hay que cambiar a cientos de miles de maestros e instruirlos, necesitamos la colaboración de la sep, del sindicato de maestros y no es fácil. pero nosotros seguimos insistiendo al presidente de la república de que va ser un gol de media cancha meterles la materia de ecología a los chavos de primaria porque si no hay ecología, no hay geografía”.

4 comentários:

Delmanto disse...

É uma viagem pela história do rock. Poucos sabiam que o México tinha uma banda desse nível,rock "light", que embala e é gostoso de ouvir...e dançar... Esse trabalho é "profissa". Alto nível. Complementa o que estamos vendo e ouvindo de rock nesse mega evento onde até rock tem...Grande abraço,
Delmanto.

requeri disse...

delmanto, o méxico nos deu, na década de 1960, carlos santana, um dos maiores guitarristas do mundo.

obrigada.

Alberto Jardim disse...

Conheço o Maná a muitos anos, a primeira musica que ouvi foi "Rayando el Sol", depois disso tive a oportunidade de assitir ao primeiro show aqui no Brasil (paguei uma "bala" mas fiquei na mesa colada ao palco). Minha atual esposa gosta tanto, que em viagem ao México trouxe de lá todos os Cd´s e DVD's da Banda.
Quem ainda não conhece não perca essa dica.

Bjs,

Márcia Cristina disse...

Conheço a banda Maná há poucos anos, uns sete , oito talvez... Mas tempo suficiente para dormir e acordar ao som de Maná... As vezes fico triste da banda não ser reconhecida como gostaria aqui no Brasil, afinal aqui a música castelhana não vinga muito... Uma pena isso... Mas pra quem conhece e curte a banda sabe o potencial e alto nível que a banda tem e é um privilegiado! Cada canção uma história... É emocionante ouvir a voz rouca do Fher... Amo Maná!!!

 
Template by Mara*
requeri/2010